08/10/2014

Antigo violão, metade Madeira, metade amor, 
o nylon das cordas ja nao afina mais,
O braço acariciado dioturnamente, por mãos calejadas, mãos que louvavam, mãos semi conscientes,
mãos que masturbam nucas solitárias...
O velho violão, regado a vinho, sexo, suor, beijo e paixão.
Descrevendo curvas eternas em seu corpo, meia luz no deu caráter 
Amigo violão te lembra da virilha cantada em dó?
Da vontade vermelha gritada  em mi...
Da boca beijada em sol,
E do adeus negado em lá?
e lá sobraram lamentos da falta e da saidade, 
Violão querido, seu corpo desenhado, mal pintado a mão....
velho, sujo, torto desdenhado 
Cantou amores eternos e verdadeiras paixões. 

09/09/2014

Cintura

Ela nunca vai deixar a ferida curar,
se ajoelha e reza, amaldiçoa e abençoa a dor

Ela muda o perfume, mas o cheiro é o mesmo
o orvalho do seu suor contesta o não da sua boca..

teu futuro é tão ímpar quanto seu passado
e ninguém acaricia sua alma em noite chuvosa

café quente, chá, cigarro, álcool
café quente, cama e beijos,

Sua Alma anda Só.

12/08/2014

Escrever

Eu prefiro escrever
Com papel e caneta
Com língua e dente 
Sangue e tinta 

Eu prefiro escrever 
com escuridão, silêncio 
fumaça e cansaço
Beirando o absurdo
romantizando o corte

Eu prefiro escrever
são nas linhas que meu grito flui
Como um doce beijo que fui

Boca

Sua cova silenciosa,
donde nascem sorrisos e magoas amargas
Espíritos passados fornicam em sua cova
Mas não entram novos mortos
Sua cova sagrada que sorri aos povos que entendem sua alma
Na sua cova deito sem saber, 
Se sou espírito passado, ou morto novo....

21/07/2014

Lembra do dia em que precisou de magoa para crescer? 
Que escrevia na dor? 
Lavava os ferimentos com álcool? 
Ela nem soube se amou, se escravizou.
Pernoita lendo Bukowski, amanhece rezando o pai nosso.
Todo dia reclamando nomes. 
Todo dia temendo a morte. 
Anda sozinha por medo da solidão.
Sorri por desespero 
Sorriso amarelo frenético, esquizofrênico,
E já nem sabe quem é, quer tomar as rédias sem saber pra onde ir.

29/05/2014

Procuro  você garota, sem olhos
O que nao vejo rm mim 
Infeliz ser guiado pelos caminhos que você vê
Nunca saberemos quem não vê... Nossa competição eterna, nosso orgulho fraterno 
Seguindo caminhos idênticos... 

24/04/2013 

07/01/2014

Na falta de desespero olho a tela em branco.
Eco do tédio.
Palavra muda.
Ouvido surdo.
Na falta de desespero falta escritor.
Por aqueles lados do silencio
o mundo explode por falta de palavras.

26/12/2013

Diário

Ela fez um diário com seu nome... Nenhuma emoção nem trechos amorosos.
Tudo coagulado, tudo silencioso
Ela fez um diário com seu nome.
Asmática, no escuro.
Canhota silenciosa.
Canhota desesperada.
Ela fez um diário com seu nome. 
Sem amor, sem vida, sem morte. 
Um olho que olha. 
Uma boca ressecada 
Um sussurro lento.
Ela fez um diário com seu nome.
Um alento.

17/05/2013

De braços abertos

ela pula, faceira...
Achando que não iria doer..
achando... de olhos fechados
sentindo o vento bater no rosto
Sem ao menos lembrar que o chão existe
mesmo assim ela pula

Ele? Nem abre abre os braços pra aliviar a queda.


Ao som de Placebo - The Bitter End.

"Since we're feeling so anaesthetized
In our comfort zone
Reminds me of the second time
That I followed you home"

10/05/2013

C'est la vie.

Ela chorava poesia
por não ter com quem conversar na noite fria

Ele cada dia mais se convencia
que mesmo manco seu coração bateria.




Ao som de Russian Red "Crying"...

05/05/2013

Te escondo

Na tinta da minha caneta,
em bares, sorrisos, sarjeta,
em olhos rasos, discussões profundas.

Te escondo em nomes estranhos,
em textos curtos, em pequenos surtos.

te escondo marginalizada naquele velho muro
no chão do carro com garrafas vazias
em lugares que nunca fui...

No meu silêncio
te escondo em falsa harmonia
em clichê alcoolico

crio versões de um mundo pouco romântico
te escondo no coração
me escondo em mais uma canção

26/04/2013

Um Ato

Um ato é pouco
pra cantar meu conto louco
Um ato de fato
não comporta todo sentimento do nosso tato
Não caberia em um ato,
nem os beijos longos,
nem os passos curtos,
Nem o fim de fato
Nem o fim do ato

Escrito ao som da sua nuca

Saudades

A palavra que anda, que chora
que sussurra no seu ouvido desatento
A palavra que flui pelos dedos, mãos, corpos...
pela meia luz do seu colo
A palavra que quebra o silêncio do seu quarto
que soluça meus passos enquanto parto..
A palavra que ficou no cheiro da cama
A palavra do coração que te reclama

Escrito ao som do seu cheiro, de olhos fechados e sorriso colado.

10/04/2013

eu vejo
minha mão escrever seu nome no caderno...
meus olhos escorrem sua ausência
minha boca silencia, parece ser anuência
medo de perder o que se foi,
medo de doer o que nunca parou de doer.
coração de aço?
silêncio sem abraço.
sem afago, sem boa noite, sem bom dia.
diz rápido pra mim quem perdeu mais ?
me diz rápido o que eu sinto lentamente
me diz baixinho que há outro mundo justo o suficiente.


23/03/2013

Uma Ode

Ela nunca teve meia vontade,
não rezou baixnho
nem fechou os olhos de medo
nem surtou em segredo
que nunca esperou o mesmo fim sabendo que já acabou
esperando a droga amaciar sua mente
esperando a droga de mundo demente
o julgamento do pensamento
o jubilo e o tormento de não se importar com o resto
de não querer ser o resto
que não é diferente para ser igual,
Diga traz outro trago
bebe aquele gosto amargo
espera o fim que ja veio
não quer bater, nem escrever poeisa,
Quieta insistindo em querer insistir,
Insistindo em fingir sorrir,
Fechada no sorriso aberto,
andando por caminhos conhecidos,
conhecendo caminhos repitidos
Ela que já nem sabe mais quem é
Guardando no peito o que quer....

21/03/2013

Nunca mais faço a barba
nem tomo vergonha na cara

Você vai ver
Vou conituar o mesmo


você vai ver!

19/03/2013

Senta aqui

Senta e diz pra mim quem fez a vida assim...
cheia de barba pra esquentar
cheia de encruzilhada pra estrada errada,

Senta aqui e fuma aquele cigarro que me ensinou a fumar
bebericando cerveja no canto do bar
respirando o ar frio da solidão

Senta aqui e me conta de novo
o conto incontável
conta o futuro indizível

Senta aqui e olha lá
lá se foi.

Escrito ao som de Teatro Mágico - Cuida de Mim



18/03/2013

E ela simplesmente sentou e negou a ser quem era.
ela simplesmente disse que ia mudar,
ela percebeu que não sabia quem era,
muito menos o que mudar,

Morrer

O que ela quer ela não tem
Se ela quer que fique longe, não fica
Paz é uma palavra sem sentido
Prazer só com alguma droga
Morte só com suicidio,
e tudo mundo acha que ela está bem sorrindo com a cerveja na mão
Já morreu tantas vezes que nem sabe porque está aqui,
e morrer com o mesmo coração dói,
Dói nada dar certo
Nada ser suave
Tudo ser fora do comum, sem controle.
Ela nem sabe mais porque o som está tão alto no meio da madrugada
Dizem que é pra não escutar o proprio choro
E aí,
quem você vai culpar quando seu mundo de vidro despedaçar?
Me diz
quem te força a ser como é?
Senão aquela sua coceirinha íntima pra poder se sabotar depois.

07/03/2013

02/03/2013

Da Série Meu Moleskine Salvando Vidas

Dia de chuva
Chove
Dia de choro
Chora
Dia de novo,
Corre...!!

Da Série Meu Moleskine Salvando Vidas

"Ela achava que ele só via o seu lado
  Ele tinha certeza que ela só defendia o lado dela
  Na verdade, ninguém via nada
  Afinal, tem coisas que não se vê,
  Sente"


Ao som de Russian Red - Cigarettes

27/02/2013

Mesmo sem saber porquê
sem saber como
ela tenta
sorrindo o esforço sem norte
ela tenta
correndo sorrindo para a morte
ela tenta e olha pra trás suado sem saber como aguenta...
mesmo assim ela tenta


Da série meu "Moleskine Salva Vida"

SIM!

Não pule o muro
Não sorria
Não destile o veneno
Não se revolte
Não respire
Não mostre
Não pense
Não peque
Não goze
Não goste
Não gaste
Não perca o norte
Não mostre a face
Não.
Não vai adiantar.

17/02/2013

Escutei o limpador do vidro mexer, sua respiração e a chuva.
A visão, o vidro e todo o resto embaçado
Ninguém pediu pra chuva parar... deixa chover pra limpar
deixa chover pra molhar...



31/01/2013

Nosso melhor beijo  foi negado
e até hoje sinto  ele escorrendo pela minha boca
dizendo não....


Ao som de Fernanda Takai - Você já me esqueceu

29/01/2013

Se eu escrever tudo,
não digo nada,
Se eu não disse nada,
é porque tudo foi dito
De resto
Meus olhos falam mais.

16/01/2013

E existe descanso

Cansei de me matar te amando
Cansei de te matar me amando
e existe descanso,
mas cansei de descansar em prantos
e existe descanso~,

21/12/2012

As vezes tenho a impressão
de carregar o mundo com o coração,
e você ocupa tanto espaço,
que quando tenta sair, esvazio.

Sim, anoiteci pouco subjetivo.


Ao som de Nunca - A banda mais bonita da cidade.

16/12/2012

A boca pede
O silencio pede
Os olhos pedem

Em sorrisos
Em conversas
Em notas poesias e fotografias


21/11/2012

Engano é esquecer que não se esquece

Ela mudou seu modus operandi,
reinventou músicas, reescreveu romances,
deslizou pelas frestas da vileza,
acariciou seu ego, adotou valores torpes,
sorriu, bebeu e fingiu com destreza,
inventou novos lugares
tudo na esperança de não lembrar,

09/11/2012

Você

Você,
Tão menina dormindo
Tão amiga sorrindo
Tão mulher conversando
Tão amante beijando

Tão distante faltando

25/10/2012

Falta

a falta da certeza
falta do abraço, do olho, do sorriso, do choro
lhe falta o caminho, a vontade, o grito, o parto
a falta da lágrima não parece ser sinal de alegria
nem alegria e nem tristeza disfarçam a descrença
lá vem o suspiro por falta de suspiro


Ao som de Placebo

24/10/2012

E tudo pára.
E ninguém sabe o que dizer.
E o sorriso, meio sem querer, dá o ar da graça.
Tudo volta, ninguém sabe dizer o que aconteceu.
E aí, o que aconteceu?

18/10/2012

E se?

E se ela te ver, quem você vai ser.
Se ela te sorrir como você vai vir
Se ela te mentir você vai sentir?

Se ela sentar e chorar onde você vai estar?
E se ela gritar em silencio, silenciar gritando.
Com a boca deslizar nos olhos
Com os olhos implorar o afago

Se ela fechar a ferida.
A sua abre?
Se ela fechar a ferida, vai doer?